segunda-feira, 4 de julho de 2011

A PROVAÇÃO DE JESUS, (Lc 4, 1-13)


Jesus, cheio do Espírito Santo, afastou-se do Jordão e deixou-se levar pelo espírito ao deserto, durante quarenta dias, enquanto o Diabo, o punha à prova. Nesse tempo não comeu nada, e no fim sentiu fome. O Diabo lhe disse: Se és o Filho de Deus, diz a essa pedra que se transforme em pão. Replicou-lhe Jesus: Está escrito que o homem não vive somente de pão. Depois o levou a uma altura e lhe mostrou num instante todos os reinos do mundo. O Diabo lhe disse: Eu te darei todo esse poder e sua glória, porque o deram a mim, e o dou a quem quero. Portanto, se te prostrares diante de mim, tudo será teu. Replicou-lhe Jesus: Está escrito: Adorarás o Senhor teu Deus, e somente a ele prestarás culto. Então o conduziu a Jerusalém, colocou-o no beiral do templo e lhe disse: Se és o Filho de Deus, lança-te para baixo, pois está escrito que deu ordens a seus anjos para que te guardem e te levarão em suas palmas, para que teu pé não tropece na pedra. Replicou-lhe Jesus: Está dito que não porás à prova o Senhor teu Deus. Concluída a prova, o Diabo afastou-se dele até outra ocasião.

* Jesus está cheio do Espírito de Deus que conduz cada decisão de sua vida. Nós podemos está cheios do nosso próprio espírito, e procurando nos guiar pelos nossos próprios pensamentos e ações sem nada questionar e tudo aceitar. O desafio para o cristão do mundo de hoje é ser capaz de deixar-se guiar pelo Espírito. O Espírito conduz às experiências novas e inesperadas. Conduz sem oferecer garantias e seguranças. Transporta de uma situação existencial para outra situação, muitas vezes oposta. O Espírito desinstala o cristão de suas comodidades e provoca uma constante conversão espiritual rumo ao deserto, em direção ao essencial da vida humana – a vida segundo o Espírito.

* A ida ao deserto é uma experiência de procura, de encontro pessoal e solitário com o Pai. É uma solidão-encontro procurada pelo coração sedento do amor, do aconchego, da orientação do Pai. Mas também é o lugar da tentação, da provação, do amadurecimento da fé. Ir ao deserto significa colocar-se a caminho, iniciar um itinerário de desapego de si mesmo e de confiança total em Deus. No deserto a tentação cumpre a tarefa de purificar o nosso espírito, as nossas intenções, os nossos projetos humanos para que se tornem projetos de Deus.

* Jesus nada come e sente fome. O que alimenta a nossa vida? O que nos sacia? Temos fome de Deus, da sua Palavra, do seu amor? A tentação do ter, da posse dos bens materiais e das pessoas pode criar a falta convicção de que podemos tudo: “Se és Filho de Deus transforma\ essa pedra em pão”. O dinheiro parece ter o poder de realizar o impossível. “O Diabo lhe disse: Eu te darei todo esse poder e sua glória”. Muitos acreditam que quem tem dinheiro tem poder para resolver todos os problemas, curar todos os males e ser plenamente feliz. Entretanto, a realidade dos fatos mostra que essa tentação humana pode criar no coração humano a falsa ilusão que adorando o deus do ter encontrará a felicidade, a paz, a justiça e o amor. “Se te prostrares diante de mim, tudo será teu”.

* “Adorarás o Senhor teu Deus, e somente a ele prestarás culto”. Será que existe alguma coisa em comum entre os falsos adoradores e os verdadeiros adoradores de Deus? O que significa adorar a Deus? O problema não está na coisa em si que pode ser adorada, mas no modo como o crente se relaciona com essas as coisas. Essas coisas e pessoas estão ocupando o lugar de Deus na minha vida? A quem ou a que coisa eu me curvo todos os dias: ao dinheiro? a fama? aos objetos de estimação? à vontade em um amigo? aos vícios e pecados?

A provação de Jesus é um estímulo para sua ação missionária na medida em que se torna também o nosso itinerário de provação, de purificação, de santidade. Não é finalizada em si mesma. A provação do discípulo de Jesus prova o cristão e o conduz para uma ação transformadora da sua vida, da comunidade eclesial e do mundo em que vive.